O ex-governador  Rollemberg acredita que os 200 mil servidores públicos já esqueceram o maior calote da história do DF aplicado pelo seu então governo 

Foto: Facebook Rollemberg.

Em 2017, o então governador Rodrigo Rollemberg (PSB), ao se referir ao pagamento da terceira parcela dos servidores do DF, disse: 

"Eu não vou ficar conhecido como o governador que quebrou Brasília", afirmou na ocasião. 

Ao deixar o Buriti, em janeiro de 2019, o então governador, além de aplicar o calote de mais de R$ 1 bilhão contra os servidores públicos, deixou ainda sucateada a saúde, arrebentou com a educação e a segurança e deixou para trás a herança maldita de R$ 7,7 bilhões, maior rombo sem lastro financeiro da história do Distrito Federal. 

Para completar a tragédia governamental, o governo socialista deixou também para trás o Viaduto do Eixão, no centro de Brasília, completamente desabado sobre uma montoeira de ferros retorcidos. 

Como se o povo tivesse memória curta, o ex- chefe do pior governo da história de Brasília, usou as suas redes sociais nesta quinta-feira (15), para dizer que deixou no orçamento de 2019, R$ 600 milhões para pagar a última parcela às 33 categorias de servidores públicos do DF (veja abaixo). 



Voltando a linha do tempo, a terceira parcela foi estabelecida por meio da Lei nº 5.184/2013. 

Os funcionários chegaram a receber a primeira parcela em 2013, a segunda em 2014. 

Em 2015, os 200 mil servidores, entre ativos e inativos, deveriam receber a última parcela. 

Foi aí que o governo Rollemberg resolveu aplicar o calote que perdurou durante os quatro anos de gestão socialista. 

Decretou a suspensão do repasse dos benefícios por tempo indeterminado. 

O então governador alegava a falta de recursos para pagar os valores e que o repasse desses pagamentos poderia quebrar os cofres públicos. 

E foi mais além: tentou barrar o pagamento da terceira parcela com uma ação no Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT). 

O argumento era de que a medida poderia "levar o Estado à ruína financeira". 

O saracoteado do ex-governador, decorreu em face do anúncio feito pelo governador Ibaneis Rocha, sobre o envio à CLDF, de um  pedido de reajuste ao orçamento para pagar a terceira parcela aos servidores. 

Alguns políticos como RR pensam que o povo tem memória curta. Quem não te conhece é quem te compra, Rollemberg!
Compartilhar:

Flávio Santana

Comente:

0 comentários